O diário de um trader
7.25K subscribers
1.63K photos
226 videos
17 files
1.06K links
Canal mantido por mim, Paulinho Lamana. Dicas de comportamento, postura, minhas entradas e muito mais! Compartilhe livremente essa idéia.
Download Telegram
to view and join the conversation
⛅️ Morning Call BRA

As bolsas da Europa operam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (14), após o índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA vir acima do esperado. A inflação registrou o maior nível desde 2008, reavivando temores de que o Fed anuncie um aumento de juros já no ano que vem. O CPI do Reino Unido também veio acima do projetado, o que amplia a pressão para uma retirada de estímulos pelo Banco da Inglaterra (BoE). Na Zona do Euro, por outro lado, a produção industrial de maio caiu além do previsto por analistas. Líderes do BCE e do BC inglês têm discursos agendados para hoje.

Os futuros de Nova York operam sem direção única, à espera do índice de preços ao produtor (PPI), do Livro Bege do Fed e do depoimento de Jerome Powell ao Congresso americano. O mercado também fica de olho nos balanços corporativos do segundo trimestre, que hoje incluem os resultados do CitiGroup, Bank of America e Wells Fargo.

Por aqui, o mercado aguarda a divulgação do IBC-BR, considerado a prévia oficial do PIB, e repercute o texto inicial da Reforma Tributária, apresentado ontem na Câmara dos Deputados. O relator da proposta, deputado Celso Sabino, incluiu no texto a isenção dos rendimentos de FIIs e a redução de mais de 10 p.p. na alíquota do IR das empresas. Contudo, as mudanças aumentaram temores quanto ao impacto fiscal. O efeito estimado é de R$ 30 bilhões de perda líquida na arrecadação. Na seara política, a Câmara aprovou um projeto que limita o pagamento de “supersalários” na administração federal, reduzindo possibilidades de pagamentos de benefícios acima do limite salarial da União. O texto vai voltar ao Senado após alterações dos deputados.

Desempenho dos principais índices nesta manhã:

🇺🇸 S&P Futures +0,06%
🇩🇪 DAX -0,18%
🇺🇸 Nasdaq +0,33%
🇬🇧 FTSE -0,62%
🇫🇷 CAC -0,24%
🛢 Petróleo Brent -0,64%
🛢 Petróleo WTI -0,64%
🏗 Minério +0,79%
💵 Índice Dólar -0,14%
🇺🇸 S&P VIX -2,04%
🇧🇷 EWZ -0,08%

#BRANews #Notícias
💵 Raízen anuncia IPO que pode girar até R$ 7,78 bilhões

A Raízen, joint venture entre a Royal Dutch Shell e a Cosan, anunciou oferta pública de distribuição primária (IPO) de, inicialmente, 810.811.000 novas ações preferenciais, nominativas, escriturais e sem valor nominal de emissão da companhia.

A empresa estima que o preço de subscrição por ação estará situado entre R$ 7,40 e R$ 9,60 (faixa indicativa), podendo levantar R$ 6,89 bilhões caso a ação seja precificada no meio da faixa indicativa (R$ 8,50) e até R$ 7,78 bilhões se o preço ficar no teto. De acordo com a companhia, que atua na área de distribuição de combustíveis e produção de açúcar e etanol, o início da negociação das ações na B3 será em 5 de agosto.

Fonte: Estadão
📅 Calendário Econômico de 19/07/2021

Destaque para:

🇧🇷 08:25 - Boletim Focus

#BRANews #Notícias #Agenda
📡 Bolsas da Ásia fecham em baixa por conta do avanço da pandemia

Os mercados asiáticos fecharam em baixa generalizada nesta segunda-feira (19), diante do agravamento da pandemia de Covid-19 em várias partes do mundo. A disseminação da variante delta do coronavírus preocupa investidores quanto à recuperação econômica global, fomentando a aversão ao risco no mercado.

A bolsa de Hong Kong liderou as perdas, seguida pela japonesa. O mercado sul-coreano fechou negativo após o país impor restrições mais rígidas a ajuntamentos privados, na tentativa de conter o avanço da variante delta. Já o índice de Shanghai fechou com baixa marginal.

Desempenho dos principais índices:

🇨🇳 Shanghai -0,01%
🇯🇵 Nikkei -1,25%
🇭🇰 Hang Seng +1,84%
🇰🇷 Kospi -1,00%

#BRANews #Notícias
⛅️ Morning Call BRA

As bolsas da Europa operam em baixa generalizada nesta segunda-feira (19), na esteira dos mercados asiáticos. Diante do agravamento da pandemia em diversas partes do mundo, investidores temem que a disseminação da variante delta da Covid-19 retarde a recuperação econômica global. O mercado também fica de olho nos preços do petróleo, que recuam após o acordo fechado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) no final de semana. Os integrantes da Opep+ concordaram em aumentar gradualmente a produção da commodity, ante o fortalecimento da demanda global e do aumento dos preços. Investidores europeus aguardam a reunião de política monetária do BCE agendada para quinta-feira (22).

Os futuros de Nova York recuam ante o aumento da aversão ao risco, após os mercados acionários de Wall Street fecharem negativos na sexta-feira (16). Além das preocupações com a disseminação da variante delta entre a população não vacinada, investidores americanos se preocupam com a pressão inflacionária no país. Na temporada de balanços corporativos, se destacam as grandes empresas de tecnologia.

Por aqui, a temporada de balanços começa nesta semana, e o mercado também aguarda o IPCA-15, a ser divulgado na sexta-feira. O recesso parlamentar do Congresso põe de lado a atenção com a Reforma Tributária e a CPI da Covid pelas próximas duas semanas. O presidente Jair Bolsonaro teve alta do hospital no domingo, e sinalizou no mesmo dia que pode vetar o fundo eleitoral aprovado na LDO para as eleições de 2022, que somam cerca de R$6 bilhões. O Ministério da Saúde contabilizou pelo menos 97 casos de infecção pela variante delta no Brasil, dos quais cinco pessoas morreram.

Desempenho dos principais índices nesta manhã:

🇺🇸 S&P Futures -0,76%
🇩🇪 DAX -2,04%
🇺🇸 Nasdaq -0,37%
🇬🇧 FTSE -1,93%
🇫🇷 CAC -2,05%
🛢 Petróleo Brent -2,61%
🛢 Petróleo WTI -2,77%
🏗 Minério -1,49%
💵 Índice Dólar +0,35%
🇺🇸 S&P VIX +12,14%

#BRANews #Notícias
📅 Calendário Econômico de 21/07/2021

Destaque para:

🇺🇸 11:30 - Estoques de Petróleo em Cushing

#BRANews #Notícias #Agenda
📡 Bolsas da Ásia fecham mistas, após ganhos em NY

Os mercados asiáticos fecharam sem sinal único nesta quarta-feira (21), acompanhando a recuperação de perdas nos mercados acionários de Wall Street. Contudo, temores quanto ao impacto da variante delta ainda pressionam as bolsas orientais, há dois dias para o início das Olimpíadas de Tóquio. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, afirmou que é impossível eliminar o risco de contágio durante a competição.

O índice de Shanghai liderou os ganhos, impulsionado por ações de montadoras e empresas ligadas à energia renovável. A bolsa japonesa também fechou positiva, diferente das praças de Hong Kong e da Coreia do Sul, que fecharam em queda.

Desempenho dos principais índices:

🇨🇳 Shanghai +0,73%
🇯🇵 Nikkei +0,58%
🇭🇰 Hang Seng -0,13%
🇰🇷 Kospi -0,52%

#BRANews #Notícias
IBOV

A retomada da força compradora voltou na parte da tarde, e levou o índice novamente para a linha dos 125 mil pontos. Segue em tendência de baixa em meio a grande volatilidade, com clara marcação de topo e sem sinal claro de retomada altista que faça acreditar novamente em níveis superiores a 128 mil pontos.
Dólar Futuro

Em meio a forte volatilidade, o dólar encerrou em queda de 0,59% depois de ser negociado acima da máxima anterior. Ainda em tendência de alta no curto prazo, somente uma queda para níveis inferiores a 5.085 pontos “devolve”
S&P500

Testou suporte de LTA e voltou a fechar acima da média móvel mensal, mas ainda longe da resistência anterior, que é a região de máxima histórica.
⛅️ Morning Call BRA

As bolsas da Europa operam com bom-humor nesta quarta-feira (21), impulsionadas pelas ações de petroleiras, que se beneficiam com o avanço dos preços do petróleo. O clima é de recuperação nos mercados globais, após um início de semana marcado pela aversão ao risco, diante de temores quanto à disseminação da variante delta da Covid-19. Os setores de lazer e viagens se destacam nas praças europeias, e a temporada de balanços corporativos do continente contribui para o otimismo.

Os futuros de Nova York operam positivos, na esteira da recuperação de perdas registrada ontem nos mercados acionários. A temporada de balanços americana continua no radar, e hoje inclui os resultados da Coca-Cola e da Johnson & Johnson. A despeito das preocupações com o avanço da nova cepa do coronavírus, que já representa 80% dos novos casos nos EUA, o avanço das campanhas de vacinação no mundo tranquiliza investidores. Ontem, o epidemiologista Anthony Fauci declarou em audiência no Senado americano que a eficácia dos imunizantes contra a variante delta é “extraordinária”.

Por aqui, os mercados observam os dados da arrecadação federal em junho e repercutem as falas mais recentes de Jair Bolsonaro. O presidente reiterou o interesse do governo em reajustar o Bolsa Família para no mínimo R$300 em novembro. Quanto à Reforma Tributária, Bolsonaro afirmou em entrevista que “houve exagero” na medida originalmente enviada ao Congresso e que vetará o texto, caso haja aumento da carga de impostos. No Twitter, ele anunciou que vai vetar o fundo eleitoral.

Desempenho dos principais índices nesta manhã:

🇺🇸 S&P Futures +0,36%
🇩🇪 DAX +0,92%
🇺🇸 Nasdaq +0,03%
🇬🇧 FTSE +1,71%
🇫🇷 CAC +1,37%
🛢 Petróleo Brent +1,46%
🛢 Petróleo WTI +1,44%
🏗 Minério -3,85%
💵 Índice Dólar +0,09%
🇺🇸 S&P VIX -4,66%
🇧🇷 EWZ +0,31%

#BRANews #Notícias
📅 *Calendário Econômico de 23/07/2021*

*Destaque para:*

🇺🇸 10:45 - PMI Industrial (Julho)
🇺🇸 10:45 - PMI Composto Markit (Julho)
🇺🇸 10:45 - PMI do Setor de Serviços (Julho)

#BRANews #Notícias #Agenda
📡 *Bolsas da Ásia fecham em queda, em meio a pandemia e temor de regulação chinesa*

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (23). Predominou novamente o temor quanto ao avanço da variante delta da Covid-19, que já havia pressionado os mercados globais na segunda-feira (19). Também pesaram as preocupações renovadas de maior regulação chinesa a empresas locais que fizeram IPO em Nova York.

A bolsa de Hong Kong liderou as perdas, pressionada por ações relacionadas ao consumo. O índice de Shanghai também fechou negativo, com destaque para as baixas de ações de farmacêuticas. Já o mercado sul-coreano fechou em alta, ante o otimismo com a temporada de balanços corporativos. A praça japonesa permaneceu fechada, pelo segundo dia consecutivo, devido a um feriado.

*Desempenho dos principais índices:*

🇨🇳 Shanghai -0,68%
🇭🇰 Hang Seng -1,45%
🇰🇷 Kospi +0,13%

#BRANews #Notícias
*IBOV*

Cumpriu-se a expectativa de índice mais travado, indefinido no curto prazo. Uma retração até a região de 127.500 pode se rapenas uma retomada de fôlego para novas quedas. Para baixo, suporte na linha de 124 mil pontos.

#BRANews #AT
*Dólar Futuro*

Leve valorização hoje mas sem muita expressividade nos movimentos. Ainda abaixo de 5.234, tende a ficar mais “indeciso”, trabalhando entre suporte na região de 5.200 ou 5.186.


#BRANews #AT
📅 Calendário Econômico de 26/07/2021

Destaque para:

🇧🇷 08:25 - Boletim Focus
🇺🇸 11:00 - Vendas de Casas Novas (Junho)

#BRANews #Notícias #Agenda
📡 Bolsas da Ásia fecham em queda, em meio à preocupações com a delta e novas regulações chinesas

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente negativos nesta segunda-feira (26), em meio ao aumento do cerco regulatório na China. Após interferir no setor de tecnologia, o governo chinês apertou as regras para companhias privadas do setor de educação. Agora, os serviços de tutoria que ensinam disciplinas escolares aos alunos durante os anos obrigatórios devem ser administrados como operações sem fins lucrativos. O governo chinês também baniu serviços de levantamento de capital e propriedade estrangeira no setor e proibiu aulas em finais de semana e feriados. Além da nova regulação, a disseminação da variante delta da Covid-19 também preocupa investidores.

O índice de Hong Kong liderou as perdas, seguido pelo de Shanghai. A bolsa sul-coreana também fechou negativa, pressionada por ações dos setores de tecnologia e construção. Por outro lado, após se manter fechado nos dois últimos pregões, o mercado japonês fechou com ganhos, seguindo os fechamentos com recordes de Nova York na sexta-feira.

Desempenho dos principais índices:

🇨🇳 Shanghai -2,34%
🇯🇵 Nikkei +1,04%
🇭🇰 Hang Seng -4,13%
🇰🇷 Kospi -0,91%

#BRANews #Notícias
IBOV

Ainda dentro de um canal de baixa no gráfico diário e semanal e abaixo da média móvel mensal, sustentado ainda pela região que marcou a pontuação de máxima de janeiro. Numa análise mais sucinta, a pressão para curto e médio prazo ainda é vendedora.
Dólar Futuro

Marcou indefinição para o fechamento de sexta, e graficamente trabalha no estreito de um triângulo que pode romper para cima ou para baixo, deixando no ar a indefinição de curto prazo
S&P500

Mais uma máxima marcada no S&P. Para esta manhã de segunda, mercados cedem com preocupações sobre o crescimento da economia. Em temporada de balanços, semana deve ser de volatilidade bastante presente.