Isabela Couto Constelação Familiar
4.41K subscribers
51 photos
44 links
Toda semana a gente coloca um texto, faz um áudio ou envia um vídeo. E o assunto é Bert Hellinger e sua Filosofia Sistêmica
Download Telegram
Nessa Live abordamos:

- Como lidar com medos abstratos (ex: fracasso)?;

- Estar sem $$ significa que não é a hora de fazer Constelação?;

- Sinto raiva e mágoa do meu pai por ter morrido, e agora?;

- Não entendo o conceito "expiação". Pode falar sobre?;

- Constelação Familiar tem efeito imediato?
E agora? Como remendar nossos rasgos?

Texto no Instagram
http://bit.ly/3tNPcdX
Reflexão nova, no Instagram
https://bit.ly/34j6LIg
O trabalho

O trabalho é um ato de vida. Ele pertence à realização da vida no mundo, está a serviço da vida no mundo e do movimento do espírito no mundo.

Primitivamente, na caça, na lavoura ou na pecuária, o trabalho era vivenciado como o sustento imediato da vida. Hoje em dia, ele geralmente
já não o provê diretamente, mas apenas de modo indireto, através do dinheiro que proporciona.

Contudo, o produto da caça, do cultivo da terra e da criação do gado
não beneficiava apenas a um, mas igualmente a outros – tanto mais que
esse trabalho era realizado em comum e partilhado por muitas pessoas.

O mesmo continua acontecendo hoje. O contentamento no trabalho resulta, em grande parte, da consideração pelos outros, talvez por muitos
outros, a quem o nosso trabalho possibilita a vida e a torna mais leve ou mais bela.

Através de nosso trabalho, harmonizamo-nos assim, de um modo
especial, com o grande movimento da vida que partilhamos com muitas pessoas. Ele nos conecta a elas de muitas maneiras, principalmente porque o trabalho delas também nos ajuda a viver.

Nossas viagens interiores também nos conduzem ao trabalho e ao serviço da vida. Pode parecer que elas nos afastam de nosso compromisso com
muitos trabalhos. Na realidade, só nos desviam deles um pouco e por pou-
co tempo – por exemplo, quando ficamos estressados e, talvez, também
obsessivos.

Nas viagens interiores, recolhemos a nossa mente, assim como as nossas forças. Elas nos permitem ver melhor o que é essencial em nosso trabalho, o que realmente serve à vida e o que corresponde ao assunto, em vez de desviar-nos dele.

Depois de nossas viagens interiores, retornamos, mais recolhidos, ao
nosso trabalho, com a mente centrada e a energia recolhida. Retornamos,
sobretudo, com uma alegria bem centrada.

Livro : Viagens Interiores - Bert Hellinger
Acabei de postar um texto sobre este assunto lá no Instagram. Passa lá 😉

https://www.instagram.com/p/CaPW4kgvC8X/?utm_medium=copy_link
Viu esse texto no instagram. Acesse lá 😍

https://www.instagram.com/p/CaXF1e5DX8r/?utm_medium=copy_link
Já leu este texto? Está no Instagram. Acesse lá 👍

https://www.instagram.com/p/Ca7Er4MOLlQ/?utm_medium=copy_link
Já leu este texto? Está publicado no Instagram. Passa lá 👍

https://www.instagram.com/p/CbpelJ0LR8x/?utm_medium=copy_link
Acabei de postar um novo texto lá no instagram. Passa lá;)

https://www.instagram.com/p/CcIhLjOLAKb/?igshid=YmMyMTA2M2Y=
Desejo a todos uma boa passagem por essa pós-Páscoa que nos atravessa.

"Boa" aqui quer dizer transformadora, útil para si, para os seus e para os que estão à sua volta.

Nem sempre trocar de pele é leve e cômodo. Pode ser perturbador, por vezes, mas, talvez, pode ser um alívio necessário e bem-vindo também.

O mesmo Joseph Campbell continua essa frase impressa no post dizendo assim: "

".. precisamos estar dispostos a nos livrar da vida que planejamos para podermos viver a vida que nos espera."

Cuide-se 🧡

■ Isabela Couto | Atendimento Psicoterapia Online ou Constelação Familar & Livro & Cursos & Podcast | Linksss na Bio

www.isabelacoutopsi.com
Você consegue se auto-observar? Digo, perceber, no flagra, o que pensa sobre si mesmo? De repente você faz alguma coisa errada, ou é grosseiro quando não queria ser, ou displicente e pouco empático - e aí? Como você se trata nessas horas de deslizes? Por um acaso você tende a se amaldiçoar com frases do tipo:

"eita, Isabela, que burrice. De novo fazendo isso? Ah não! Você não tem jeito! Desisto!"

Talvez você já tenha sido assim - e que bom que mudou, se foi seu caso. Contudo, ainda é muito mais comum do que imaginamos esse tipo de auto-mal-dição do exemplo acima - ou seja, é bastante corrente o hábito de dizer-se-mal. E, vou lhe dizer mais algo, esse comportamento é adoecedor, destruidor, negativo, perturbador. Esse diálogo interno desgovernado é nefasto. Vale a pena colocar-se atento/ atenta e estar presente, centrado, em si.

Bom, a solução para revertermos tal cenário não é difícil de imaginar, né? Basta a gente fazer o caminho inverso e, ao invés mal-dizer-nos, bem-dizer-nos!
(...)

Dããã ... óbvio!
É o óbvio, mas, como dizem "luz demais cega" - então, não custa reforçar.

Seguindo o texto... O bom de instaurarmos esse novo modus operandi é que o mundo inteiro ganha quando a gente se ama mais. O seu entorno é imediatamente enriquecido. Os relacionamentos são beneficiados, porque a auto-gentileza transborda e irriga a terra vizinha.

Então, resumindo:

1) auto-observar-se!
2) quando errar, seja gentil consigo
3) repita isso até que seja um hábito
4) fez com você, faça aos outros
5) sente-se na sua varanda e veja o jardim florido - o seu e o do vizinho

Esqueci algo? Conta aí...

■ Isabela Couto | Atendimento Psicoterapia Online ou Constelação Familar & Livro & Cursos & Podcast
Leu esse post no Insta?
Quem se exalta sobre outros perde a ligação com estes. Ele se retrai deles, e eles por sua vez se retraem. Por isso essa presunção causa solidão e desconfiança. Quem se exalta deve temer que os outros o rejeitem, que esperem secretamente que caia de sua altura presunçosa, até que volte a ser igual aos outros. Sim, ele mesmo espera secretamente por essa queda, porque a própria alma não suporta essa presunção por longo tempo. Ele acaba cometendo erros, incompreensíveis a estranhos, mas que estão em harmonia com sua alma. Não conseguimos suportar por muito tempo a grandeza que nos eleva sobre os outros. Nem os outros conseguem suportá-la por muito tempo [...]

Porém, também aquele que se humilha e se coloca abaixo dos outros seres humanos perde a ligação com eles. Os outros sentem a presunção nessa espécie de humildade, bem como a recusa de fazer aquilo que é adequado e que honra a grandeza humana [...]

Faz parte da grandeza que eu reconheça em mim aquilo que de especial me foi dado e, ao mesmo
tempo, aquilo que é especial em cada outro ser humano. Por isso também o especial é algo comum a todos os seres humanos e une, ao invés de separar, porque também o especial está a serviço do todo. Por isso o especial é mesmo, onde parece ser diferente, no todo, igual a qualquer outro.

Bert Hellinger

■ Isabela Couto | Atendimento Psicoterapia Online ou Constelação Familar & Livro & Cursos & Podcast | Linksss na Bio


https://www.instagram.com/p/Cd28ebourPP/?igshid=YmMyMTA2M2Y=