Crítica Desapiedada
19 subscribers
37 photos
43 links
Informes do Crítica Desapiedada: artigos, podcast's, vídeos, seminários, livros etc. - https://criticadesapiedada.com.br/
Download Telegram
to view and join the conversation
A memória oficial de 25 de abril de 1974 é, como sempre, uma construção dos vencedores. Na verdade, é a memória de 25 de novembro de 1975, o segundo golpe, que restabeleceu a democracia parlamentar, normalizando a vida política e impondo um sistema jurídico de liberdades formais e o respeito pela propriedade privada exigido para a exploração capitalista. Graças à propaganda, ao hábito e ao esquecimento, a memória popular de 25 de abril finalmente desapareceu no mito oficial do livre mercado e da democracia, a delegação permanente do poder a uma casta política. Embora não completamente, como veremos.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/07/15/portugal-quarenta-anos-de-democracia-charles-reeve/
Estudo detalhado sobre o que é e como funciona o capitalismo estatizado de Cuba: a imposição do trabalho assalariado, as empresas, o lucro, a acumulação do capital, a privação de propriedade dos meios de vida e de produção pelo proletariado e a consequente sujeição deles a uma burguesia de Estado, a proprietária desses meios.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2020/08/19/estalinismo-canavieiro-capitalismo-de-estado-e-desenvolvimento-em-cuba-intransigence/
A primeira característica do socialismo utópico reside na superstição do poder da ciência.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/07/18/lenin-como-um-utopico-willy-huhn/
O desenvolvimento do capitalismo está conduzindo a crises cada vez mais graves, que se refletem num aumento constante do desemprego e numa perturbação cada vez mais profunda do sistema de produção. Assim milhões de trabalhadores ficam postos de fora da produção e abandonados para morrer de fome. Ao mesmo tempo, as contradições entre as diferentes nações agravam cada vez mais, o que faz a guerra econômica terminar numa nova guerra mundial.

O crescente empobrecimento e a insegurança cada vez maior da existência forçam a classe trabalhadora a iniciar a luta pelo modo de produção comunista. Nesta luta, o Grupo Comunista Internacionalista incentiva os trabalhadores a assumirem eles próprios a gestão, a administração da produção e a distribuição de acordo com regras geralmente aceitas na sociedade, a fim de realizar a associação dos produtores livres e iguais.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/10/03/os-principios-fundamentais-da-producao-e-distribuicao-comunista-grupo-de-comunistas-internacionalistas-gic-parte-1/
Podemos sintetizar a contribuição de Korsch como uma luta implacável para preservar a essência do marxismo em seu caráter crítico e revolucionário, combatendo todo tipo de dogmatismo, determinismo e recuos em suas proposições políticas radicais.

Sua compreensão do marxismo, sem dúvidas, levou a inúmeros embates dentro e fora desse meio. É a partir dessa visão que Korsch combateu o que ele chamou de pseudomarxismo, tanto na II Internacional quanto na Terceira. Assim, Korsch criticou radicalmente tanto a social-democracia quanto o bolchevismo. Esse processo, no entanto, não se deu automaticamente. Korsch, ao longo de seu desenvolvimento intelectual político, foi se radicalizando e rompendo com diversas organizações e perspectivas até se conformar em uma corrente do marxismo conhecida como comunismo de conselhos, que tinha como representantes Paul Mattick, Anton Pannekoek, Herman Gorter, Otto Rühle, entre outros.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/10/21/o-marxismo-critico-revolucionario-60-anos-da-morte-de-karl-korsch-gabriel-teles/
Crítica Desapiedada pinned «Podemos sintetizar a contribuição de Korsch como uma luta implacável para preservar a essência do marxismo em seu caráter crítico e revolucionário, combatendo todo tipo de dogmatismo, determinismo e recuos em suas proposições políticas radicais. Sua compreensão…»
No comunismo, o processo de produção não é mais um processo de expansão do capital, mas somente um processo de trabalho no qual a sociedade retira da natureza os meios de consumo dos quais precisa. Valores não são mais produzidos, mas somente artigos de uso. Como critério econômico, cuja necessidade é inegável, já que tanto a produção como o aparato produtivo devem ser submetidos à necessidade social, a única coisa que ainda pode servir é o tempo de trabalho empregado na produção dos bens. Não é mais o “valor”, mas o cálculo em termos de artigo de uso e o tempo de trabalho imediato exigido para sua produção que é a forma necessária de expressão de uma economia comunista regulada.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/10/17/o-que-e-comunismo-paul-mattick/
Podemos resumir la aportación de Korsch como una lucha sin cuartel por preservar la esencia del marxismo en su carácter crítico y revolucionario, combatiendo todo tipo de dogmatismos, determinismos y retrocesos en sus propuestas políticas radicales.

Texto completo en: https://criticadesapiedada.com.br/2021/10/21/marxismo-critico-revolucionario-60-anos-despues-de-la-muerte-de-karl-korsch-gabriel-teles/
Não apenas uma crítica da “Nova Classe” e do seu autor, Milovan Djilas, é aqui apresentada ao leitor, mas uma crítica histórico-materialista, na qual as condições sociais também são desenhadas, e na qual o que falta ou é inadequado nas críticas de Djilas ao bolchevismo é explicado pelos limites que são inevitavelmente impostos a uma crítica nascida sob condições bolcheviques. Assim, esta brochura não é significativa apenas pelo que diz sobre Djilas e a nova classe, mas também pela forma como o método do materialismo histórico é aplicado à abordagem dos problemas.

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/11/01/milovan-djilas-e-a-nova-classe-cajo-brendel/
Os Conselhos Operários é um texto que pode parecer simplista ou mesmo vão numa época em que a ausência de atividade emancipadora bloqueia o horizonte do imaginário e da reflexão crítica. Apesar de ter sido escrito durante um dos períodos mais sombrios da História contemporânea, exibe uma perspectiva otimista da evolução das sociedades, no limite de uma certa ingenuidade. Aproxima-se por vezes de um discurso evolutivo e quase determinista quando prevê a ressurgência do movimento de emancipação social.

Mas a questão levantada no livro é fundamentalmente prática: como nos devemos organizar para derrubar o sistema capitalista e conservar o controle da produção da vida social?

Texto completo em: https://criticadesapiedada.com.br/2020/12/13/os-conselhos-principios-e-debates-charles-reeve/
No sábado, dia 27 de novembro, às 15 horas da tarde (horário de Brasília), apresentaremos um debate gravado com o militante russo Mikhail Magid sobre “1918: O Golpe Antissoviético de Lenin e a Resistência dos Trabalhadores ao Bolchevismo”. A apresentação foi gravada em inglês e legendada para o português. A live faz parte das atividades do Portal Crítica Desapiedada neste ano de 2021.

Link: https://www.youtube.com/watch?v=HUwuldHlE8M
Na minha opinião, a teoria do comunismo de conselhos atingiu um apogeu provisório em 1938 quando o marxista alemão Anton Pannekoek submeteu o leninismo como um todo a uma investigação marxista. Entretanto, o desenvolvimento do comunismo de conselhos não parou aí. Muito longe de toda ortodoxia ou de toda forma de degeneração, ele continua a se servir do método de Marx para apreender melhor a realidade social.

Entrevista completa em: https://criticadesapiedada.com.br/2021/12/06/proteja-se-de-todo-mito-entrevista-de-1999-cajo-brendel/
Em todos os matizes da social-democracia, as teorias de socialização giram em torno deste único ponto: como dominar a classe trabalhadora. Elas acham óbvio que o trabalho deve ser dominado e comandado, e de mesma maneira acham óbvio que isto requer uma organização central, bem apertada (para fazer um sistema socialmente inquebrável). A tarefa que estas teorias se estabelecem é organizar este comando sobre os trabalhadores de forma abrangente e tão central quanto possível, e colocar este comando sob a supervisão do parlamento (os reformistas) ou do Estado proletário, como é formado pelo partido dos trabalhadores assalariados (os bolcheviques). Em outras palavras, a dominação sobre a classe trabalhadora deve ser temperada pela “democracia”.

Texto completo em:
https://criticadesapiedada.com.br/2022/01/10/os-principios-fundamentais-da-producao-e-distribuicao-comunista-grupo-de-comunistas-internacionalistas-gic-parte-2/
Chuang é um coletivo comunista internacional que publica entrevistas, traduções e artigos autorais sobre a ascensão da China através das pilhas de destroços da história e das lutas daqueles que foram arrastados por baixo deles. Ao longo de anos de pesquisas locais, o coletivo desenvolveu uma análise comunista incisiva enfatizando as dimensões globais da experiência chinesa, iluminada pelos debates do século 20 e reforçada pela atenção contínua às mudanças de condições da luta proletária na China e além. Em suas atentas intervenções teóricas e nas janelas para a vida cotidiana visíveis em seu blog, o coletivo sempre enfatizou as lições práticas para as muitas batalhas travadas pelos proletários em todo o mundo hoje e no futuro próximo.

Entrevista completa em:
https://criticadesapiedada.com.br/2022/01/22/o-estado-da-praga-brooklyn-rail-entrevista-o-coletivo-chuang/