Português live
35.2K members
981 photos
2 videos
9 files
130 links
Português e redação para concursos públicos, Enem e vestibulares..

www.portugues.live

📝 Pacote de correção de redação e discursivas: @REDACAO
💬 Contato: @portugueslive

Instagram: instagram.com/portugueslive

📮 E-mail: contato@portugues.live
Download Telegram
to view and join the conversation
SEQUER / SE QUER

Sobre sequer, é uma palavra que significa “ao menos, pelo menos”.

Muito usada em frases negativas, mas não substitui o “não” ou “nem”, que devem aparecer antes de “sequer” em frases negativas; às vezes é precedida pela preposição “sem”.

– Não havia sequer um aluno em sala de aula.

– O homem nem sequer se dignou de responder a minha solicitação.

– Tudo se arranjaria se ambos tivessem sequer um pouco de boa vontade.

– Não deixou cair uma lágrima sequer.

– Sem sequer ter atravessado a rua direito, foi atropelado.

– Sequer um carro de polícia funcionava naquela maldita cidade. (errado!) / Nem sequer um carro de polícia funcionava naquela maldita cidade. (agora sim!)

– O pseudomédico sequer possuía diploma de ensino médio. (errado!) / O pseudomédico nem sequer possuía diploma de ensino médio. (agora sim!)

Já se quer é a união da conjunção subordinativa condicional se + quer (3a pessoa do singular do presente do indicativo do verbo querer), equivalendo a “se desejar”.

– Se quer tanto aquela sonhada vaga, empenhe-se... e gaste dinheiro.

– Eu comprei aquele suco de que você falou; se quer, basta me avisar.

Bons estudos! ❤️
Nossa correção de DISCURSIVAS e redações é completa, detalhada, barata e cheia de resultados. Possuímos profissionais e pacotes para a maioria das bancas: CEBRASPE, UFPR, ENEM, FGV, CRS...

Redações por menos de 2 reais. Confira todos os detalhes e pacotes: www.portugues.live

Tire suas dúvidas: @portugueslive
FAZER COM QUE / FAZER QUE

Tanto faz. Vasco Botelho de Amaral, Domingos Paschoal Cegalla, Francisco Fernandes, Evanildo Bechara, Cláudio Moreno e muitos outros defendem ambas as formas como cultas, no sentido de “provocar, acarretar, influir, conseguir”. A preposição é expletiva ao iniciar objeto direto.

– A minha boa sorte fez (com) que não perdesse o avião...
– A presidenta do país fez (com) que os demais políticos mudassem de opinião.
– Esta postura só fará (com) que seus pais briguem com você.
– O professor fazia (com) que toda a matéria fosse fácil se assimilar.

Bons estudos! ❤️
POR QUANTO / PORQUANTO

Por quanto refere-se à quantidade, valor; porquanto é uma conjunção explicativa ou causal e equivale o mesmo que pois.

– Por quanto vocês me venderiam este livro?
– Estudo cinco horas por dia, porquanto me é suficiente.

Bons estudos! ❤️
A PAR DE / AO PAR DE

A forma a par de é o mesmo que “estar ciente de”; ao par de equivale a “pareado”, na área da economia.

– Por que nunca fico a par dos assuntos desta empresa?

– Um dia, o Real estará, de fato, ao par do Dólar?

Bons estudos! ❤️
Está ______ de namorar comigo?
Anonymous Quiz
51%
a fim
49%
afim
DESDE DA ADOLESCÊNCIA, LUTAMOS POR UM IDEAL. 🤔

Cuidado! Não se usa a preposição "de" depois da preposição "desde". Logo, o certo é "Desde a adolescência, lutamos por um ideal ".

Bons estudos! ❤️
Maioria das bancas: CEBRASPE, UFPR, ENEM, FGV, CRS...
Qualquer tema
Correção comentada
Sugestões de aulas e materiais
Monitoria ilimitada

Correção de DISCURSIVA mais completa. Confira todos os detalhes e pacotes: @portugueslive

www.portugues.live

Tire suas dúvidas: @portugueslive
CRASE NO INÍCIO DE FRASE

E aí, galerinha? 😊

Existe um mito de que não se começa frase com crase. Isso é um completo absurdo!!! Veja:

– À noite todos os gatos são pardos.

– À frente da loja iniciou-se uma briga violenta.

– À medida que estudo, mais aprendo.

Algumas bancas de concursos têm criado questões de crase com frases que aparentemente teriam de começar com o artigo “A(S)”, mas que começam por “À(S)”. Como a tendência é achar que o sujeito sempre vem antes do verbo, o candidato acaba achando que não pode haver “À(S)” iniciando uma frase.

Bons estudos! ❤️
CESPE: RAIO-X DAS BANCAS

Normalmente 55% das provas de Português do Cespe é gramática. Esqueça, então, esse papo de que "Cespe é só interpretação". Vamos ver o que cai de gramática! 👊😎

1) Coesão: estudar como os substantivos e os pronomes estabelecem a coesão referencial; já a coesão sequencial é estabelecida por meio de preposições e conjunções (ter em mente todas as conjunções é megaimportante!).

2) Ortografia: estudar aquelas expressões que geram dificuldades na grafia: "por que, porque, por quê, porquê"; "cerca de, a cerca de, há cerca de"; "mal, mau"; "há, a"?...

3) Acentuação: estudar as regras das paroxítonas, das proparoxítonas, dos hiatos tônicos e dos verbos vir e ter, principalmente.

4) Semântica: estudar os conceitos de denotação, conotação e sinonímia.

5) Pronomes: é preciso estudar o emprego dos pronomes relativos, pronomes pessoais
oblíquos e a colocação pronominal.

6) Verbo: estudar o emprego dos tempos e modos verbais, correlação verbal, transposição de voz verbal, locução verbal/tempo composto.

7) Sintaxe: saber identificar as funções sintáticas dos termos e das orações.

8) Pontuação: estudar bem as regras básicas de vírgula... além de ponto e vírgula, travessões,
parênteses e dois-pontos.

9) Concordância: estudar as regras básicas de concordância verbal (principais: verbo na voz passiva, sujeito oracional e verbo haver) e concordância nominal.

10) Regência e Crase: basta entender o conceito de regência, pois quase não se trabalham as regências específicas dos verbos; é preciso conhecer bem as regras básicas de crase e os casos de crase facultativa e com paralelismo.

11) Palavras QUE e SE: dominar o uso de “que” como conjunção integrante e pronome relativo, e o uso de “se” como partícula apassivadora e partícula de indeterminação do sujeito, principalmente.

12) Reescritura e Correção: é o assunto mais frequente de todos; em uma questão, a banca cobra do candidato o conhecimento de várias regras gramaticais: ortografia, acentuação, emprego de classes de palavras, pontuação, concordância, regência, crase, colocação pronominal.


Bons estudos! ❤️
PORVENTURA / POR VENTURA

A forma porventura é um advérbio de dúvida e equivale a por acaso; já por ventura, a por sorte. Observe o diálogo:

– “Porventura já fui desonesto com você ou com qualquer outro amigo nosso?”

– “Por ventura ainda não, pois, se fosse, iria arrepender-se amargamente.”
SABE USAR “TAL QUAL”?

Segundo a tradição gramatical, a expressão comparativa “tal qual” é variável. O “tal” deve concordar com o primeiro elemento da comparação, e o “qual” deve concordar com o segundo elemento da comparação, ok? Exemplos:

– O homem pode viver TAL QUAL um bicho.
– O homem pode viver TAL QUAIS alguns bichos.
– Os homens podem viver TAIS QUAL um bicho.
– Os homens podem viver TAIS QUAIS alguns bichos.

Gramáticos sérios interpretam TAL QUAL como locução conjuntiva subordinativa comparativa; como conjunção é uma classe gramatical invariável, eles dizem que a expressão pode ficar invariável (equivalente a COMO), mesmo que os termos substantivos estejam no plural: “Os homens podem viver TAL QUAL alguns bichos”. Em provas de concursos, analise com calma todas as alternativas antes de “bater o martelo”.

Bons estudos! ❤️
SEMIVOGAIS

Os fonemas semivocálicos (ou semivogais) têm o som de I e U (apoiados em uma vogal, na mesma sílaba). São menos tônicos (mais fracos na pronúncia) que as vogais. São representados pelas letras I, U, E, O, M, N, W, Y. Veja:

pai: note que a letra I representa uma semivogal, pois está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba.

mouro: note que a letra U representa uma semivogal, pois está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba.

mãe: note que a letra E representa uma semivogal, pois tem som de I e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba.

pão: note que a letra O representa uma semivogal, pois tem som de U e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba.

cantam: note que a letra M representa uma semivogal, pois tem som de U e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba (= cantãu).

dancem: note que a letra M representa uma semivogal, pois tem som de I e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba (= dancẽi).

hífen: note que a letra N representa uma semivogal, pois tem som de I e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba (= hífẽi).

glutens: note que a letra N representa uma semivogal, pois tem som de I e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba (= glutẽis).

windsurf: note que a letra W representa uma semivogal, pois tem som de U e está apoiada em uma vogal, na mesma sílaba.

Bons estudos! ❤️
DITONGO FONÉTICO

É o caso dos ditongos perceptíveis pela pronúncia.

Ex.: Ele tem – A pronúncia desta palavra inclui o fonema “I” apesar de não estar escrito, diferentemente do que ocorre em tempo, onde não há o som deste “I”. É sutil a diferença: “TEIM” e “TEMPO”. O mesmo fenômeno ocorre com “estavam”, que se pronuncia com o acréscimo do fonema “U”, o mesmo não sucedendo com “vantagem”. Nós pronunciamos “ESTAVÃU” e “VANTAGEM”.

NOSSO PACOTE DE CORREÇÃO

Bons estudos! ❤️
Maioria das bancas: CEBRASPE, UFPR, ENEM, FGV, CRS...
Qualquer tema
Correção comentada
Sugestões de aulas e materiais
Correção em 48h
Monitoria ilimitada

Correção de DISCURSIVA mais completa. Confira todos os detalhes e pacotes: @portugueslive

www.portugues.live

Tire suas dúvidas: @portugueslive
FÓRMULAZINHA? RÁPIDAMENTE? – COM OU SEM ACENTO?

E aí, galerinha? 😊

Acho que a maioria das pessoas sabem que a grafia correta é FÓRMULA e RÁPIDA, pois são palavras proparoxítonas, logo vêm acentuadas obrigatoriamente.

No entanto, muitas pessoas vêm escrevendo tais palavras (ainda com o acento) mesmo depois de elas apresentarem um sufixo:

FÓRMULA + ZINHA = FÓRMULAZINHA
RÁPIDA + MENTE = RÁPIDAMENTE

Para você não garotear mais, aprenda de uma vez por todas: quando uma palavra vem seguida de sufixo, a sílaba tônica dela passa a ser a primeira sílaba do sufixo, ou seja, as proparoxítonas FÓRmula e RÁpida viram paroxítonas quando seguidas de sufixo (formulaZInha, rapidaMENte). Nesse caso, não cabe mais a manutenção do acento gráfico na palavra. Na verdade, qualquer palavra originalmente acentuada (só, inútil, país) que vier seguida de sufixo não terá mais acento gráfico (somente, inutilmente, paisinho).

Bons estudos! ❤️
DESDE DA ADOLESCÊNCIA, LUTAMOS POR UM IDEAL. 🤔

Cuidado! Não se usa a preposição "de" depois da preposição "desde". Logo, o certo é "Desde a adolescência, lutamos por um ideal ".

Bons estudos! ❤️
CASO

E aí, galerinha? 😊

É uma conjunção subordinativa condicional equivalente a “se”. Segundo a esmagadora maioria dos gramáticos, só vem seguida de verbo no presente do subjuntivo ou no pretérito imperfeito do subjuntivo. Exemplos:

– Caso depositem confiança em você, não deixe de falar de mim.
– Eu só lhe perdoaria, caso ela viesse pedir desculpas sinceras.

Para o gramático Domingos Paschoal Cegalla, não há problema algum em usar tal conjunção seguida de um verbo no futuro do subjuntivo, no lugar do presente do subjuntivo:

“Quem tocar qualquer cadáver humano fica contaminado por sete dias. Deverá purificar-se com esta água no terceiro e no sétimo dia, e ficará puro. Caso não se purificar (purifique) no terceiro e no sétimo dia, não ficará puro.” (Números 19:11, 12)

No entanto, não é assim que analisam as bancas. Veja uma questão sobre isso:

Cespe/UnB – CORREIOS – ANALISTA (LETRAS) – 2011

(…) Se nos apressarmos a dizer que o sujeito da memória é o eu, na primeira pessoa do singular, a noção de memória coletiva poderá apenas desempenhar o papel analógico, ou até mesmo de corpo estranho na fenomenologia da memória. (…)

Se a conjunção “Se” fosse substituída por “Caso”, deveria ser alterado o tempo e mantido o modo verbal empregado na oração condicional.

( ) CERTO ( ) ERRADO


Gabarito: certo. A banca Cespe/UnB fica com a visão tradicional, a saber: “Caso” não pode substituir “Se” seguido de verbo no futuro do subjuntivo. A forma verbal “apressarmos” deveria estar assim: “apressemos”.

> Nunca se usa a conjunção condicional “caso” acompanhada da conjunção condicional “se”, formando “se caso” ou “caso se”. Não confunda com a construção correta formada por “caso” (conjunção) + “se” (pronome) ou “se” (conjunção) + “acaso” (advérbio): “Caso se lembre de mim, dê um sinal”, “Se acaso me quiseres, estarei aqui”.

NOSSA CORREÇÃO DE DISCURSIVAS PARA CONCURSOS

Bons estudos! ❤️
Hoje conversaremos um pouco sobre Algumas Formas Variantes na Grafia e na Pronúncia.

Fique atento! 😉

acróbata ou acrobata / boêmia ou boemia / ambrósia ou ambrosia / hieróglifo ou hieroglifo / Oceânia ou Oceania / xerox ou xérox /
zângão ou zangão / zênite ou zenite / autopsia ou autópsia / biopsia ou biópsia / necrópsia ou necropsia / ortoepia ou ortoépia / projétil ou projetil / réptil ou reptil / sóror ou soror / homília ou homilia / Madagáscar ou Madagascar / elétrodo ou eletrodo / anidrido ou anídrido / alópata ou alopata / transístor ou transistor / clitóris ou clítoris (...)

Só de curiosidade: os nomes de pessoas (antropônimos) seguem as mesmas regras de acentuação gráfica e de ortografia. Não há diferença entre substantivo comum e substantivo próprio quanto às regras relativas à correta escrita das palavras.

“Ah, mas o meu nome é Andreia, sem acento!” Parabéns! Antes da reforma ortográfica estava errado, mas agora está certo, por causa da regra dos ditongos abertos nas paroxítonas.

“Ah, mas o meu nome é Fabio, sem acento!” Lamento! Está errado, pois paroxítonas terminadas em ditongo crescente são obrigatoriamente acentuadas! Deveria ser Fábio. Perdoe-me, Fábio!

Bons estudos! 😜
NEM TUDO ENTRE VÍRGULAS É APOSTO…

Salve, galera!

Pergunta: O que os segmentos entre vírgulas, abaixo, têm em comum?

1) A mulher, nua e solitária, tirava fotos de si mesma.
2) A casa, às dez horas da manhã, estará fechada.
3) O restaurante, meu amigo, está dando lucro.
4) O carro, que estava na oficina, era novinho.
5) A vida, quando é bem vivida, só gera prazer.

Resposta: Nenhum deles é aposto!

1) Predicativo do sujeito, pois aposto nunca é formado por adjetivo, e sim por núcleo de valor substantivo; o predicativo do sujeito é que pode ser constituído por adjetivo.
2) Adjunto adverbial de tempo.
3) Vocativo.
4) Oração subordinada adjetiva explicativa (tanto as explicativas quanto as restritivas exercem função de adjunto adnominal, e não de aposto).
5) Oração subordinada adverbial temporal.

PORTANTO, VIU ALGO ENTRE VÍRGULAS? RESPIRE FUNDO E PENSE: É APOSTO MESMO???